segunda-feira, 27 de junho de 2016

Sonetos___SONETO DA SAUDADE

Quando cai a tarde e o sol, ao se ir,
Se despede da gente no poente,
Que vontade enorme de lhe pedir
Que leve toda a saudade da gente!

Mas, se lhe peço, é porque o partir
Do sol, me lembra os adeuses dolentes
Que nunca me deram, nem nunca vi,
Dos amores que partiram silentes.

E agora, que de novo vejo a tarde
Já se esvaindo no fundo horizonte,
Canta o poema o receio que me invade:

Que tua hora de partir não me contes
E, súbito, te tornes a saudade
Que nas Ave-Marias me desponte!

Nenhum comentário:

Postar um comentário